.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. FÉRIAS

. O CORPO HUMANO - COMO NUN...

.arquivos

. Junho 2012

. Janeiro 2012

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Sexta-feira, 18 de Julho de 2008

FÉRIAS

 

É verdade: chegaram finalmente as minhas merecidas férias! O Verão sorri e o calor convida, porém, quero antes deixar os conselhos fundamentais para que todos os leitores deste blog possam desfrutar de umas óptimas férias na praia, sem correrem riscos e praticando a cultura preventiva que este blog tanto tem ensinado.

Já longe vai o tempo em que a pele branca era sinal de realeza e de formosura. Afinal "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades" e, hoje em dia, um corpo bronzeado é o o desejo de qualquer pessoa. Homens e mulheres esforçam-se por exibir esse desejado bronze correndo, muitas vezes, gravíssimos riscos.

A mais recente prova disto são os resultados de um estudo que revelam que 70% dos jovens entre os 16 e os 24 anos permanecem expostos ao sol na praia durante o perigoso "período vermelho" (12h-16h). Este período corresponde àquele em que a radiação ultravioleta é mais intensa. Além disso, 40% dos jovens entre os 10 e os 25 anos assumem já ter apanhado um escaldão. A classe média e a classe média alta são as mais afectadas por uma das mais graves consequências da exposição solar: o cancro da pele.

As "férias-relâmpago" são, por si só, inimigas da nossa pele já que consistem em férias de poucos dias com grande exposição solar.

 

Claro que o sol também tem muitas vantagens: é responsável pela síntese cutânea da vitamina D (importante para a estrutura óssea), é favorável e recomendado em casos de psoríase, eczema atópico, asma e melhora, de uma forma geral, o estado de espírito. Porém, quando abusamos dele pode causar manchas, queimaduras, alterações imunológicas e cancro. Além disso, a exposição solar directa também prejudica os casos de rosácea, herpes labial ou lúpus. Nestes últimos casos existem protectores especiais ou pode mesmo ter de se evitar a exposição solar.

 

 

Um truque para compreender quando o sol está mais perigoso é a observação da sombra: quando ela é mais comprida do que o nosso corpo, significa que o sol está pouco intenso; já quando não existe sombra, é importante sairmos da exposição solar.

 

Todos os anos há mais de 10 mil casos de cancro cutâneo e 1 em cada 6 pessoas pode desenvolvê-lo ao longo da sua vida, pelo que este é, cada vez mais, um problema de saúde pública e torna-se fundamental a alteração dos estilos de vida que tem de passar por uma foto-educação.

 

 

 

Os cuidados para as crianças devem ser redobrados:

- no 1º ano de vida não deve haver exposição ao sol

- depois a criança deve ser gradualmente exposta ao sol, fora do "horário vermelho"

- deve-lhe ser aplicado o protector solar antes mesmo de sair de casa (não esquecer as palmas dos pés, as orelhas...)

- é fundamental recolocar o protector de 2 em 2 horas ou após idas à água

- é aconselhada roupa com filtros de protecção solar ou mesmo roupa normal (uma t-shirt comprida)

- não esquecer os panamás ou bonés

 

Para os mais velhos os conselhos são os de sempre, mas a não esquecer:

- protector solar de acordo com o fototipo (aplicar uma camada abundante e voltar a aplicá-lo de 2 em 2 horas)

- todas as peles devem ser protegidas; as mais morenas (fototipo mais elevado) estão mais protegidas da queimadura, mas não do cancro de pele

- hidratação constante (apenas água, evitar os cafés, bebidas alcóolicas, gasosas ou adocicadas)

- evitar a exposição solar na "hora vermelha" (12h-16h)

- usar chapéu

- usar óculos de sol

 

Mas se o bronze continua a ser um problema, que pode ficar comprometido com todos estes cuidados... não se preocupe: os autobronzeadores são uma óptima solução, que oxidam uma proteína da pele, mas não causam cancro de pele. No entanto, é importante não esquecer que estes não protegem da radiação UV, apenas bronzeiam. Os suplementos para o bronzeado são uma alternativa (chá verde, betacarotenos) - consistem em substâncias antioxidantes que diminuem o stress oxidativo e tornam a pele mais resistente ao sol.

 

Por fim, quer um bom motivo para proteger a sua pele do sol usando protector solar e todos os cuidados acima referidos: são o primeiro passo para uma pele mais bonita, mais saudável e mais jovem (evitam o envelhecimento da pele)!

 

E agora...

 

publicado por Dreamfinder às 21:08

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 11 de Agosto de 2007

O CORPO HUMANO - COMO NUNCA O VIU (EXPOSIÇÃO)

Apaixonante! Este seria, certamente, o adjectivo que eu escolheria para (tentar) decrever a exposição "O Corpo Humano - Como nunca o viu".

Para quem a possa encarar como uma lição anatómica, demasiado aprofundada para estar acessível ao comum dos mortais... desengane-se.

A exposição alarga-nos os horizontes de uma forma verdadeiramente deslumbrante. Leva-nos muito além daquela concepção do senso comum que valoriza a alma em detrimento do corpo e sobretudo afasta para terras longínquas a ideia de que um corpo inanimado, não é mais do que isso. Cada um daqueles corpos exalavam o odor da vida, em todo o seu esplendor e no auge da sua actividade.

Extraordinário é também o laço obrigatório e natural que nos une a esta exposição. Quando visitamos um museu histórico (não menos interessante) podemos desenvolver um íntimo interessa pela variedade de peças, relíquias, acessórios expostos, o que é certo é que eles pertencem a um determinado contexto temporal e espacial, que não o nosso. Pelo que o único elo de ligação entre nós e a exposição é o interesse que ela nos desperta. Nesta exposição, porém, o elo de ligação é muito mais íntima, chegando a um ponto visceral. Há uma identificação extrema entre nós - observadores da exposição - e os objectos da nossa própria observação (que poderíamos ser nós mesmos). O nosso corpo exposto, como nunca o vimos. O nosso corpo. Essa magnífica obra de arte, que por um lado nos assegura a diferença, desde a expressão do rosto, à altura, ao tamanho dos órgãos e ao estado dos mesmos, e que por outro nos torna todos iguais, assegurando um ténue fio comum a todos os visitantes - nós mesmos e o nosso corpo.

Em termos mais pragmáticos, a exposição está bem organizada e direccionada, já que nos permite ver tudo, de forma faseada... começando no sistema esquelético, depois o muscular e depois os vários sistemas de órgãos. Curiosidades interessantes ao longo de toda a exposição e muita informação acessível mesmos aos leigos.

Verdadeiramente deslumbrante esta oportunidade imperdível de explorar o nosso próprio mudo interno, o nosso próprio corpo!

publicado por Dreamfinder às 21:53

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.links